Diferentemente do vírus da gripe, que é altamente infectante, os agentes infecciosos da pneumonia não costumam ser transmitidos facilmente. Pneumonias são infecções que se instalam nos pulmões. Podem acometer a região dos alvéolos pulmonares onde desembocam as ramificações terminais dos brônquios e, às vezes, os interstícios (espaço entre um alvéolo e outro).

Basicamente, pneumonia é provocada pela penetração de um agente infeccioso ou irritante (bactérias, vírus, fungos e por reações alérgicas) no espaço alveolar, onde ocorre a troca gasosa. Esse local deve estar sempre muito limpo, livre de substâncias que possam impedir o contato do ar com o sangue.

Sintomas de pneumonias 

Embora seja uma doença muito associada à velhice, é essencial destacar que qualquer pessoa, em qualquer idade, está sujeita a contrair uma pneumonia, daí a importância de reconhecer os principais sintomas:

  • Febre alta;
  • Tosse;
  • Dor no tórax;
  • Alterações da pressão arterial;
  • Confusão mental;
  • Mal-estar generalizado;
  • Falta de ar;
  • Secreção de muco purulento de cor amarelada ou esverdeada;
  • Toxemia (excesso de toxinas no sangue);
  • Prostração.

 Fatores de risco para pneumonias

Dentre os fatores de risco para que a pneumonia se instale no organismo, vale destacar:

  • Fumo – provoca reação inflamatória que facilita a penetração de agentes infecciosos;
  • Álcool – interfere no sistema imunológico e na capacidade de defesa do aparelho respiratório;
  • Ar-condicionado – deixa o ar muito seco, facilitando a infecção por vírus e bactérias;
  • Gripes mal cuidadas;
  • Mudanças bruscas de temperatura.

 Diagnóstico de pneumonias

Exame clínico, auscultação dos pulmões e radiografias de tórax são recursos essenciais para o diagnóstico de pneumonia.

 Tratamento de pneumonias

O tratamento de pneumonia requer o uso de antibióticos e a melhora costuma ocorrer em três ou quatro dias. A internação hospitalar pode fazer-se necessária quando a pessoa é idosa, tem febre alta ou apresenta alterações clínicas decorrentes da própria pneumonia, tais como: comprometimento da função dos rins e da pressão arterial, dificuldade respiratória caracterizada pela baixa oxigenação do sangue porque o alvéolo está cheio de secreção e não funciona para a troca de gases.

Recomendações para prevenir pneumonias 

  • Não fume e não beba exageradamente;
  • Observe as instruções do fabricante para a manutenção do ar-condicionado em condições adequadas;
  • Não se exponha a mudanças bruscas de temperatura;
  • Procure atendimento médico para diagnóstico precoce de pneumonia, para diminuir a probabilidade de complicações.

Perguntas frequentes sobre pneumonias 

Frio causa pneumonia?

Não. É necessário um agente externo, como uma bactéria ou um vírus, para que exista a doença. O que ocorre é que, no frio, as pessoas ficam mais tempo em lugares fechados com aglomerações, o que facilita a transmissão do micro-organismo irritante de uma pessoa para outra.

 

Pneumonia é contagiosa?

Alguns tipos de pneumonia, como as causadas por vírus, são mais facilmente transmitidos de uma pessoa para outra. Já no caso das bacterianas, que são as mais comuns, a transmissão é mais difícil, mas também pode ocorrer, dependendo principalmente do estado de vulnerabilidade de cada pessoa.

 

Sempre é necessário internar em caso de pneumonia?

Não. Essa impressão é comum porque quando a doença acomete idosos, a conduta é mais frequente, já que essa população sofre maior risco de ter complicações decorrentes da pneumonia. Em muitos casos, porém, basta tomar os medicamentos prescritos em casa, conforme a indicação médica.

 

Fonte de pesquisa: blog do Dr. Dráuzio Varela e Grupo Hermes Pardini.